├ Artigos

O PERFIL DO CONTADOR NO SÉCULO XXI

Fonte: Almir Rodrigues Durigon - Classe Contábil

1. INTRODUÇÃO

O principal objetivo desse artigo é, sem dúvida mostrar que a presença do contador é cada vez mais necessário para a sociedade e para as empresas. Daí a evidente importância do conhecimento, da evolução da profissão contábil no século XXI, pois indagações sobre nossa profissão surgem a todo o momento: qual o perfil do contador no século XXI? Qual a sua verdadeira função dentro de uma empresa? Durante nossas pesquisas, tais indagações, foram abordadas em linguagem simples e acessível, apresentamos nosso trabalho dentro de uma seqüência lógica e racional, procurando explicar e justificar o porquê da evolução da profissão contábil.

Procuramos detalhar o Perfil do Contador no Século XXI, um profissional flexível, estudioso e preparado para enfrentar um mercado de trabalho cuja competição e exigências crescem a cada dia, colaborando, assim, para o crescimento profissional e acima de tudo, para o desenvolvimento cada vez maior da profissão.

Preocupamo-nos também em mostrar em qual área o profissional da contabilidade pode atuar sendo o mercado de trabalho para contadores o que mais proporciona oportunidades. Diante dessa necessidade que o mercado de trabalho vem exigindo do contador é que surgiu o desejo de descobrir o verdadeiro papel da contabilidade e o novo perfil do contador.  

2. PERFIL DO CONTADOR

O titulo o Perfil do Contador não é recente e ultimamente, tornou-se muito discutida a sua importância na busca do desenvolvimento da profissão. É de grande relevância o seu estudo, pois estamos na época do conhecimento, do capital intelectual, das grandes decisões e que a função do contador na sociedade é fundamental, e a cada dia que passa é mais importante.

O contador deve estar no centro e na liderança deste processo, pois, do contrario, seu lugar vai ser ocupado por outro profissional. O contador deve saber comunicar-se com as outras áreas da empresa para tanto, não pode ficar com os conhecimentos restritos aos temas contábeis e fiscais. O contador deve ter formação cultural acima da média, inteirando-se do que aconteceu ao seu redor, na sua comunidade, no seu Estado, no país e no mundo. O contador deve participar de eventos destinados à sua permanente atualização profissional. O contador deve estar consciente de sua responsabilidade social e profissional (NASI, 1994. p. 5).

No que concerne ao perfil do contabilista, Branco (2003) diz que:

O contabilista deve possuir um perfil e uma formação humanística, uma visão global que o habilita a compreender o meio social, político, econômico e cultural onde esta inserida, tomando decisões em um mundo diversificado e interdependente. Deve ter uma formação técnica e cientifica para desenvolver atividades especificas da prática profissional, com capacidade de externar valores de responsabilidade social, justiça e ética. Deve ter competência para compreender ações, analisando, criticamente as organizações, antecipando e promovendo suas transformações, compreensão da necessidade continuo aperfeiçoamento profissional, desenvolvimento da auto-cofiança e capacidade de transformar.

 

Concordamos aqui com as afirmações de Nasi (1994) e Branco (2003) quando diz que o profissional de contabilidade tem que ser líder e assumir o seu verdadeiro papel em assuntos que antes “quase” não lhe diziam respeito. O profissional de contabilidade tem papel fundamental na organização, pública ou privada, orientando e dando suporte para as tomadas de decisões.

 

Sendo o Contador de importância para as empresas o perfil do profissional para este século, esta direcionada para pessoas que tenham iniciativa; coragem; ética; visão de futuro e criatividade.

3. MERCADO DE TRABALHO

A profissão contábil esta regulamentada pelo Decreto – lei nº 9295/46, de 27 de maio de 1946 e posteriores resoluções complementares. O artigo 25 do Decreto – lei nº 9295, dispõe sobre as prerrogativas profissionais especificado pela Resolução do Conselho Federal de Contabilidade nº 560 de 28 outubro de 1983:

Art. 1º - O exercício das atividades compreendidas na contabilidade, considerada estar em sua plena amplitude e condição de Ciência Aplicada, constitui prerrogativa, sem exceção, dos contadores e dos técnicos em contabilidade legalmente habilitados, ressalvadas as atribuições privativas dos contadores.

Art. 2º - o contabilista pode exercer as suas atividades na condição de profissional liberal ou autônomo, de empregado regido pela CLT, de servidor público, de militar, de sócio de qualquer tipo de sociedade, de diretor ou de conselheiro de quaisquer entidades, ou, em qualquer outra situação jurídica, definida pela legislação, exercendo qualquer tipo de função (...).

O mercado de trabalho para contadores é o que mais proporciona oportunidade para o profissional, conforme cita Marion (2003 Capítulo 1, página 29) em seu livro contabilidade empresarial:

A área de atuação do profissional contábil é bastante ampla oferecendo inúmeras alternativas de trabalho, essas oportunidades só serão conquistadas por profissionais que tenham:
• Habilidade de negociação;
• Flexibilidade;
• Capacidade de inovar; e criar;
• Ética,
• Conhecimento de sua área de atuação.

Essas são algumas das principais características do perfil do profissional desejado pelo mercado de trabalho. Muitos acreditam que o objetivo da contabilidade é simplesmente, gerar guias, escriturar livros, ou seja, um mero guarda livros.

Como já mencionado anteriormente, estamos na época do conhecimento, do capital intelectual, das grandes decisões, e a cada dia que passa a função do contador na sociedade é fundamental, e mais relevante, pois ao conhecer profundamente a empresa o mesmo revela-se como o profissional encarregado de garantir a continuidade das entidades e responsável pela manutenção dos empregos e até na criação de novos. É esse o tipo de profissional que o mercado esta aceitando, estamos diante de uma nova etapa na área contábil.

De acordo com Nasi:

O contador deve estar no centro e na liderança deste processo, pois, do contrario, seu lugar vai ser ocupado por outro profissional. O contador deve saber comunicar-se com as outras áreas da empresa para tanto, não pode ficar com os conhecimentos restritos aos temas contábeis e fiscais. O contador deve ter formação cultural acima da média, inteirando-se do que aconteceu ao seu redor, na sua comunidade, no seu Estado, no país e no mundo. O contador deve participar de eventos destinados à sua permanente atualização profissional. O contador deve estar consciente de sua responsabilidade social e profissional (NASI, 1994. p. 5).

Concordamos aqui com a afirmativa de Nasi (1994) quando diz que o comportamento do contador é fonte de novas formas para a compreensão em seu processo de criação e revelação de seu novo perfil, pois estamos diante da globalização da economia e dos mercados, sendo cada vez mais solicitado para envolver em assuntos que antes “quase” não lhe diziam respeito.

Hoje o verdadeiro papel do contador, em qualquer organização, pública ou privada, é interpretar, analisar, e tentar garantir a sobrevivência das entidades, evitando desemprego e ajudar a construir um país melhor.

4. CONCLUSÃO

Ao lembrarmos o propósito pelo qual surgiu esta pesquisa, as respostas de nossas indagações parecem ser nítidas. Essa pesquisa nos levou a perceber que o mercado de trabalho está mudando, sendo necessário que o profissional contábil conheça essas novas mudanças, pois hoje não basta apenas atender as necessidades tributárias, é preciso que o contador do século XXI preste informações precisas, dando perfeitas condições aos empresários de como comandar com segurança as suas atividades econômicas.

A função do contador dentro de uma empresa é a de um analista hábil, que interpreta, orienta e da suporte ao processo de tomada de decisões. Hoje o contador tem um novo perfil, profissional voltado para formação humanística, com visão macro e compreendedor do meio social, político e cultural o qual faz parte.

Em face da globalização, o profissional de contabilidade não pode se dedicar exclusivamente a sua profissão, tem que buscar outras áreas de conhecimento, ou seja, um profissional que procura estar aberto para todas as áreas de informação.

Por fim, o campo de atuação contábil esta ampliada oferecendo oportunidades de emprego e de realização profissional.


BIBLIOGRAFIA
BRANCO, José Corsino Raposo Castelo. O profissional contábil na era do conhecimento. Disponível em: http://www.aespi.br/revista/contabil.htm. Acesso em 18 de março de 2004.

Conselho Federal de Contabilidade: http://www.cfc.org.br. Acesso em 28 de outubro de2004.


FREIRE, Keila Cristina Bonfim. O novo perfil do profissional contábil. 2003.49 f. Trabalho de conclusão de curso (monografia) – Curso de Ciências Contábeis. Universidade do Estado de Mato Grosso. Cáceres 2003.

MARION, José Carlos. Contabilidade Empresarial. 10ª ed. São Paulo: Atlas, 2003.

MOURA, Iraildo José Lopes de, SILVA, Marcos Vinicius Peixoto. Perspectiva da profissão contábil no Brasil. Disponível em: http://www.classecontabil.com.br. Acesso em 14 de julho de 2004.

NASI, Antônio Carlos. A Contabilidade como Instrumento de Informações, Decisão e Controle da Gestão. Revista Brasileira de Contabilidade. Brasília. Ano 23 nº 77. Abril/Junho 1994.

 

├ Agenda

Congressos Cursos e Palestras Eventos Esportivos Eventos Sociais Reuniões Seminários

├ Divulgação

├ Certificação

├ Parceiros

├ Publicidade

EBS Sistemas
©2008 SINCONTECSINOS - Sindicato dos Contadores e Técnicos em Contabilidade do Vale dos Sinos  
Rua Osvaldo Aranha, 115 - Centro - São Leopoldo - RS  |  Fone: 51 3592-6493  |  E-mail: sindicato@sincontecsinos.org.br  |  Créditos

Colégio Gustavo Schreiber EBS Sistemas VILAGE - Marcas e Patentes Certificação Digital CEONline SINCONTECSINOS Página Inicial Contato